A Dor

Mais informações sobre a dor

A dor é uma sensação referida por toda a raça humana: 80% da população mundial sofre de algum tipo de dor3. Mas por que razão sentimos dor?
Esta é uma das perguntas mais frequentemente colocadas pelas pessoas que têm dor, e não tem resposta fácil. Sabemos que a dor é uma espécie de sinal advertência do nosso organismo que nos diz que algo está errado. Contudo, por vezes o sinal de alarme de dor pode ser activado mesmo sem existirem doenças ou lesões. A dor ocorre, sobretudo, quando o cérebro detecta uma lesão nos seus tecidos ou uma doença no organismo. De modo geral, a intensidade da dor relaciona-se com o nível e gravidade da doença ou condição. Felizmente, hoje em dia é possível tratar com eficácia a maioria dos tipos de dor com medicamentos analgésicos, permitindo a milhões de pessoas desfrutar das suas vidas sem dor.

3Wong HK. Diagnosing low back pain. Singapore Med J. 1992 Feb; 33(1):74-8


Como se desenvolve a dor

A dor, o sistema de alarme do nosso organismo, é simultaneamente uma experiência tangível e emocional. O limiar da dor de uma pessoa, ou seja, a capacidade de cada um sentir e tolerar a dor, varia de situação para situação e de pessoa para pessoa. As investigações realizadas revelam que o estado psicológico do indivíduo desempenha um papel importante na forma como percepciona a sua dor. As pessoas referem que as injecções são menos dolorosas se não virem a agulha a penetrar na pele. Além disso, se nos magoamos ao praticar um desporto ou uma actividade que nos dá prazer, provavelmente não sentimos de imediato dores muito intensas, mesmo quando as lesões são graves. Já todos ouvimos falar do futebolista que continua a marcar golos com uma distensão no tornozelo ou de uma bailarina clássica que, mesmo com uma lesão no tornozelo, termina um espectáculo com uma lesão no tornozelo. Nenhum deles sentiu dor aguda, só mais tarde.
O nosso organismo possui receptores da dor distribuídos por todas as células — quando estimulados, estes receptores enviam sinais para o cérebro produzindo o que designamos “dor”. Embora desagradável, a dor é efectivamente a maneira que o nosso organismo dispõe para nos comunicar, de forma inequívoca, que temos de estar atentos. A dor resulta de um grande número de estímulos: físicos, químicos ou térmicos. Quando um tecido recebe estímulos suficientes, produz localmente substâncias denominadas prostaglandinas, que induzem inflamação. É desta inflamação que resulta um aumento da temperatura e edema da área afectada e um aumento da sensibilidade nervosa. Aspirina® ao inibir a produção de prostaglandinas e apresentar propriedades anti-inflamatórias e analgésicas, é um analgésico com eficácia comprovada.


Tipo de Dor:

 

Dores de cabeça (Cefaleias)

Panorâmica Geral:


As dores de cabeça são conhecidas de todas as pessoas do mundo.Segundo a American National Headache Foundation, mais de 45 milhões de americanos sofrem de dores de cabeça crónicas e recorrentes, ou seja, um número superior aos 33 milhões de pessoas que sofrem de asma, diabetes e doenças cardíacas. Os especialistas classificaram mais de 250 tipos de dores de cabeça, sendo as mais frequentes ascefaleias de tensão (59%) e de enxaquecas (35%)4.


Cefaleia de tensão:

É causada frequentemente por rigidez nos ombros, pescoço e músculos do maxilar;
- Surge geralmente associada ao stress, depressão e/ou ansiedade;
- A intensidade da dor de cabeça, que é bilateral (nos dois lados da cabeça), é ligeira a moderada e não aumenta com a actividade física;
- Pode ser desencadeada por excesso de trabalho, falta de sono, dieta inadequada ou consumo de bebidas alcoólicas;
- As cefaleias de tensão, não tratadas, poderão durar entre 30 minutos e 7 dias. As chamadas cefaleias de tensão episódicas manifestam-se geralmente menos de 15 dias por mês. Sempre que a incidência da cefaleia é maior, é descrita como cefaleia crónica.

4 Rasmussen BK. Epidemiology of Headache. Cephalalgia 2001; 21:774±777. London.

Enxaqueca:

- É o segundo tipo mais frequente de dor de cabeça. É muito mais comum nas mulheres, especialmente durante a idade fértil, uma vez que pode estar associada a alterações hormonais;
- O seu sintoma mais característico é uma dor latente intensa num ou nos dois lados da cabeça; pode ocorrer também enjoo e sensibilidade à luz e ao ruído;
- A duração das crises de enxaqueca é extremamente variável: sem tratamento, poderão durar 4 a 72 horas e ocorrerem, em média, 1 a 6 vezes por mês;
- Em alguns casos, as enxaquecas podem ser precedidas de outros sintomas específicos ou da chamada “aura”, em que o doente observa luzes internitentes no seu campo de visão;
- Infelizmente, não existe ainda cura para as enxaquecas. No entanto, é possível controlar as crises de enxaqueca com maior eficácia evitando os factores que a desencadeiam no seu caso pessoal e tomando atempadamente o analgésico adequado.


Prevenção e tratamento:

A maioria das pessoas que sofre de dores de cabeça pode beneficiar da adopção de algumas, ou todas as seguintes medidas preventivas:

- Identifique os factores que desencadeiam a dor de cabeça – pode ser a dieta alimentar, repouso insuficiente, alterações dos níveis hormonais, etc;
- Introduza algumas alterações no seu estilo de vida, seguindo uma rotina mais organizada para evitar desequilíbrios a nível do o seu organismo;
- Aprenda técnicas de relaxamento (nomeadamente meditação e visualização de imagens) e minimizar o seu nível de stress diário;
- Tome o analgésico apropriado logo que comece a sentir dores de cabeça. Aspirina® e Aspirina® Granulado têm demonstrado ser eficaz no alívio das cefaleias de tensão, e Migraspirina® nas crises de enxaqueca.


Consulte imediatamente um médico se tiver dores de cabeça após um traumatismo, rigidez na nuca, febre, confusão, perda de consciência ou dores nos olhos ou ouvidos.
Medicamentos não sujeitos a receita médica. Leia atentamente e siga as instruções do Folheto Informativo. Em caso de dúvida ou persistência dos sintomas, consulte o médico ou farmacêutico.

Topo

Dores musculares

Panorâmica Geral

Tanto os verdadeiros atletas como os “atletas de fim-de-semana” podem ocasionalmente sentir dores musculares. As distensões e traumatismos relacionados com o desporto desencadeiam respostas inflamatórias que podem intensificar a dor. Mas não são só os atletas que sentem dor. Existem muitas situações do dia-a-dia que se traduzem em dores musculares, e que, se não forem tratadas, podem chegar a afectar os tendões e ligamentos:

- Postura incorrecta: sentar-se em posição incorrecta durante horas no escritório, ou levantar objectos pesados sem assumir previamente a posição correcta;
- Movimentos repetitivos: no trabalho, no jardim, ao computador;
- Stress: quando as contracções musculares resultam de tensões da vida diária e situações de stress.


Prevenção e tratamento:

As dores musculares surgem principalmente na nuca, ombros e região lombar. Eis algumas sugestões para evitar este ciclo que provoca e mantém as dores musculares:

- Pratique sempre exercício físico aumentando gradualmente o esforço de acordo com a sua capacidade actual;
- Antes de iniciar o exercício, faça exercícios de aquecimento durante 10 a 15 minutos, por exemplo, jogging lento ou marcha rápida;
- Durma o número suficiente de horas de acordo com as suas necessidades: um bom sono num ambiente repousado e calmo é essencial para evitar todos os tipos de dor e mal-estar;
- O vestuário de treino e o equipamento de exercício devem ser indicados para a actividade que irá praticar;
- Tome medidas para reduzir o stress, realizando, por exemplo, exercícios de respiração profunda, meditação, ioga, etc;
- Quando a dor surge, tanto Aspirina® como Aspirina® Granulado são medicamentos eficazes.

Em qualquer caso, tenha presente que se suspeita de uma lesão grave ou as dores persistem, mesmo que sejam ligeiras, deve consultar um médico.
Medicamentos não sujeitos a receita médica. Leia atentamente o folheto informativo. Em caso de dúvida ou persistência dos sintomas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Topo

Dores de costas

Panorâmica Geral:

Se sentir dores de costas (região lombar), saiba que não está sozinho. Quase todas as pessoas referem, em alguma altura das suas vidas, dores de costas, que interferem com o seu trabalho, actividades diárias ou lazer. Segundo o National Institutes of Health (NIS) dos E.U.A, só neste país os gastos anuais com dores lombares ascendem a pelo menos $50 biliões de dólares, sendo esta a causa mais frequente de incapacidade relacionada com o trabalho. As vértebras, músculos, nervos e articulações complexas das nossas costas uma relação intrincada. Assim, quando ocorre uma contracção muscular ou uma lesão articular, em especial devido a um esforço anormal da coluna vertebral ou a uma postura incorrecta, surgem rapidamente inflamação e dor a nível das costas. Contrariando os fins para os quais o nosso corpo foi concebido, no século XXI, especialmente nos países industrializados, as pessoas têm uma vida muito sedentária.Daqui resulta que, na actualidade, muitas pessoas não se movimentam o suficiente para manter os seus músculos fortes e estáveis. E se os músculos são fracos, não conseguem suportar adequadamente a coluna vertebral. É por esta razão que as dores nas costas são tão frequentes nas civilizações modernas. Para agravar ainda mais a situação, a dor causa contracções musculares adicionais que, se não forem tratadas, podem causar novas dores de costas. Casoocorra irritação dos nervos, a dor pode acabar por se estender aos braços, pernas e cabeça.

Se as dores de costas forem intensas ou tiverem sido causadas por um traumatismo, ou se não diminuirem no período de três dias, deverá consultar um médico.

Prevenção e tratamento:


Seguem-se algumas sugestões para proteger a sua coluna vertebral:

- Ao levantar objectos pesados que se encontrem abaixo do nível dos seus joelhos, dobre os joelhos em vez de se curvar pela cintura. Desta forma pode tirar partido da força dos seus músculos das pernas;
- O excesso de pesoestá associado ao aumento do risco de desenvolver hérnias discais (os discos intervertebrais são “almofadas” macias que existem entre os ossos da coluna vertebral) e outros problemas que provocam dores de costas. Designa-se por hérnia discal a compressão dos nervos que rodeiam a coluna por parte dum disco entre duas vértebras. Para bem da sua coluna vertebral, mantenha um peso à sua estatura;
- Para proporcionar às suas costas um bom repouso durante a noite, durma de lado, com os joelhos dobrados, colocando uma almofada por debaixo da cabeça. Algumas pessoas obtêm bons resultados colocando uma almofada ou qualquer outro apoio macio entre os joelhos;
- Os exercícios respiratórios são também muito úteis, não só para desenvolver a capacidade pulmonar mas também para melhorar a postura, fortalecendo as suas costas e aumentando a sua flexibilidade;
- Quando surgem dores de costas, Aspirina®, o anti-inflamatório e analgésico mais estudado da história, é um medicamento eficaz, que lhe permite retomar a sua rotina normal e desfrutar a vida.

Topo

Dores menstruais

Panorâmica Geral:

Para algumas mulheres o ciclo menstrual pode estar associado a dores abdominais provocadas pelas contracções uterinas (dismenorreia).

A dismenorreia pode ser classificada em dois tipos:

- Dismenorreia primária - quando não se encontra nenhuma causa subjacente, é um efeito secundário natural da menstruação. A dismenorreia primária é bastante frequente: 25% a 50% das mulheres adultas e 75% das adolescentes sofrem de dores menstruais e em 5% a 20% dos casos podem ser intensas ao ponto de impedir que se desempenhem as actividades do dia-a-dia 5. Normalmente tem início na adolescência e tem tendência para diminuir de gravidade à medida que o tempo passa e depois de uma gravidez;
- Dismenorreia secundária - quando a sua causa é uma doença ginecológica. A dismenorreia secundária é menos frequente, estimando-se que afecte 25% das mulheres.

A dor afecta a parte inferior do abdómen, estendendo-se por vezes à zona inferior das costas e até mesmo às pernas. É descrita, geralmente, por dores semelhantes a cãibras ou contracções ou por uma moinha constante.

A dismenorreia primária, a mais comum, começa pouco tempo antes do início ou no iníco da menstruação e tem, normalmente, uma duração de 1 a 2 dias.
Outros sintomas que surgem normalmente associados à dismenorreia são: cansaço, náuseas e vómitos, perturbações digestivas (obstipação ou diarreia), dores de cabeça (cefaleias), e/ou desconforto no peito nos primeiros um a dois dias da menstruação.

5Harlow SD, Campbell OM. Epidemiology of menstrual disorders in developing countries: a systematic review.BJOG 2004;111:6–16.


Prevenção e tratamento:


As dores menstruais são difíceis de prevenir mas existem alguns hábitos do dia-a-dia que podem ajudar a reduzir os sintomas:

- Dormir o suficiente, mínimo 7 horas por dia;
- Controlar os níveis de stress;
- Praticar exercício físico com regularidade;
- Quando a dor surge, aplicar calor no abdómen (saco de água quente) ou tomar um banho quente pode ajudar a diminuir a sua intensidade;
- Medicamentos anti-inflamatórios, como é o caso da Aspirina® e Aspirina® Granulado que combinam acção analgésica e anti-inflamatória, são eficazes no tratamento das dores menstruais.

Se a dor persistir até ao ponto de interferir com a actividade normal, poderá ser necessário recorrer a contraceptivos orais ou outro tipo de medicação, devendo para o efeito consultar um ginecologista.
Medicamento não sujeito a receita médica. Leia atentamente o folheto informativo. Em caso de dúvida ou persistência dos sintomas, consulte o médico ou farmacêutico.


Topo

Esta informação deve ser considerada orientadora; não substitui o aconselhamento de um médico ou farmacêutico.

Dores de dentes

Panorâmica Geral:

É bastante provável que, durante o curso da sua vida, venha a ser confrontado com dores de dentes, um dos tipos de dores que ocorre com mais frequência.
As dores de dentes surgem associadas a doenças dos próprios dentes como as cáries e a recessão gengival, que pode expor as partes mais sensíveis do dente. Podem surgir também após tratamentos dentários ou associadas a infecções respiratórias como a sinusite, que pode provocar sensibilidade dentária.
Geralmente desagradáveis e incomodativas, as dores de dentes podem ser agudas, ligeiras ou palpitantes. O toque, calor, frio ou até o contacto com alguns alimentos são factores que podem despoletar as dores de dentes.


Prevenção e tratamento:


As dores de dentes surgem de repente. A adopção das seguintes medidas preventivas pode evitar o seu aparecimento:

- Pratique uma higiene oral diária cuidada - Escove os dentes duas vezes por dia (de manhã e à noite) e passe fio dental para eliminar a placa bacteriana;
- Controle o consumo de alimentos ricos em açúcares. Apesar de todos os hidratos de carbono poderem provocar cárie, os açúcares são o seu principal causador;
- Limite o consumo de álcool e de tabaco pois também condicionam o bom estado dos dentes;
- Quando a dor de dentes surge, Aspirina®, o medicamento analgésico mais estudado da história, alivia-a de forma eficaz.

A dor de dentes deve ser tratada assim que possível para evitar o risco de infecções, pelo que deve ter em consideração consultar um dentista.
Medicamento não sujeito a receita médica. Leia atentamente o folheto informativo. Em caso de dúvida ou persistência dos sintomas, consulte o médico ou farmacêutico.


Topo

Esta informação deve ser considerada orientadora; não substitui o aconselhamento de um médico ou farmacêutico.



Aspirina MicroActive