Enxaqueca: Tudo sobre causas e origem

O que acontece de facto com as enxaquecas? Que causas são responsáveis pela sua origem? Estas e outras perguntas ocorrem à maioria dos doentes que sofrem de enxaquecas. Nem mesmo as realidades corporais, que condicionam uma enxaqueca, são decisivas. Os afetados devem sobretudo conhecer também os desencadeadores individuais e agudos da suas enxaquecas. Porque só quem se ocupa intensivamente e conhece a doença pode enfrentá-la com eficácia.

Para uma mulher jovem o stress é uma das causas de enxaquecas.

O que se sabe relativamente à enxaqueca

Como preambulo: As causas exatas da enxaqueca continuam sem estar conclusivamente esclarecidas – a doença é demasiado complexa. No decorrer dos anos os cientistas desenvolveram novas teorias relativas à origem da enxaqueca. No entanto, com o estado atual da ciência, muitas destas abordagens não resistiram a um novo exame.

Atualmente, os cientistas partem do princípio que as causas residem em transtornos recorrentes da regulação da dor no cérebro. O que acontece então na cabeça quando se sofre de uma enxaqueca? Fatores como uma predisposição hereditária afetam certas células do chamado tronco cerebral. No âmbito de uma crise de enxaqueca, estas células desenvolvem uma hipersensibilidade, que não fica obrigatoriamente circunscrita localmente, podendo irradiar até ao nervo trigémeo. Este nervo apanha amplas partes do crânio e localiza-se na proximidade direta de todos os vasos sanguíneos no cérebro.

Se o nervo trigémeo se encontra irritado durante a enxaqueca, isso dá origem, por um lado, a falsos sinais de dor, por outro lado, a uma distribuição de neurotransmissores que são responsáveis por reações inflamatórias, principalmente nos vasos sanguíneos. Como consequência aparecem os sintomas típicos da enxaqueca. A causa da enxaqueca é portanto, segundo teoria atual, uma particularidade congénita dos afetados no processamento de estímulos no cérebro.

Reconhecer os desencadeadores agudos da enxaqueca

As causas das enxaquecas não estão ainda conclusivamente esclarecidas, mas os possíveis desencadeadores de uma crise de enxaqueca são, todavia, bem conhecidos. Estes, assim chamados triggers (desencadeadores), podem dar origem a uma reação em cadeia, no fim da qual estão dores de cabeça latejantes, náuseas e outros sintomas.

Nem todos os triggers têm o mesmo efeito para todos os doentes de enxaquecas, sendo a reação individual a um desencadeador por parte de um doente, podendo ainda modificar-se na evolução da doença. São elegíveis fatores como:

  • Mudanças no ritmo diário (por exemplo, alteração das horas de se levantar e de se deitar ou também refeições que não foram tomadas)
  • Stress
  • Alterações no equilíbrio hormonal (que aparecem no decurso do ciclo fértil feminino)
  • Ruído
  • Alterações de temperatura ou outras influências climáticas
  • Alguns tipos de alimentos (por exemplo, vinho tinto ou bananas)

Ainda não tem a certeza se é o stress, um ritmo sono-vigília alterado ou talvez a alimentação a causa para as suas crises de enxaqueca? Não é o único! Muitos doentes debatem-se com a mesma situação. Mas os desencadeadores da enxaqueca não têm de ficar por descobrir: um diário da enxaqueca pode ser muito útil para descobrir as influências negativas.

Tome nota cada vez que os sintomas aparecem:  a gravidade das dores, os efeitos secundários, quando exatamente foi a ocorrência e o que aconteceu um pouco antes. A observação por um longo período de tempo permite tirar conclusões úteis sobre o que, no seu caso, pode desencadear uma enxaqueca. Apresente estes acontecimentos também ao seu médico. Este pode assim ajustar o tratamento e dar-lhe dicas valiosas sobre como contornar a doença.